A Organização textual do Humor no Gênero discursivo Charge Jornalística

Rodrigo Leite Silva

Resumo


A presente pesquisa tem como escopo o estudo do humor na construção textual da charge jornalística, nessesentido, tem-se por problematização identificar se a organização textual do humor present e neste gênero contribui para construir a opinião de seus leitores. Assim, os objetivos delimitam-se em: identificar as características que contribuem para a organização textual do gênero charge, no que se refere à presença do humor, como crítica social da política brasileira; analisar a presença do humor no gênero charge, como transmissão de valores ideológicos, na apresentação de novas crenças, acerca do cotidiano político do povo brasileiro. A metodologia utilizada foi a teórico-analítica delimitada pela utilização das categorias contexto, intertextualida de e inversão. Os resultados obtidos demonstram que a construção textual do humor risível no gênero discursivo charge jornalística se dá na interlocução das categorias delimitadas pelo contexto, pela intertextualida de e pela inversão, simultaneamente, organizando as opiniões que devem ser adotadas pelos seus interlocutores, acerca do que veiculam sobre a situação da política nacional, pois organizam um cenário atrativo, marcado pela mescla entre os elementos pictóricos e verbais, suavizados pelo risível.

Palavras-chave


Gênero discursivo charge; Humor; Política

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação. Trad. Angela Paiva Doinisio & Judith Chambliss Hoffnagel. 4ª. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BENITES, Sonia Aparecida Lopes. “Sentido, história e memória em charges eletrônicas: os domínios do interdiscurso”. POSSENTI, Sírio; PASSETI, Maria Célia (Orgs). Estudos do texto e do discurso: política e mídia. Maringá: Eduem, 2010.

BERGSON, H. O Riso – ensaio sobre o significado do cômico. Lisboa: Guimarães Editores, 1993.

CARVALHO, Gisele de. Gênero como ação social em Miller e Bazerman: o conceito, uma sugestão metodológica e um exemplo de aplicação. In: Gêneros, teorias, métodos e debates. São Paulo: Parábola, 2010.

MARINGONI, G. Humor da charge política no jornal. Comunicação & Educação. São Paulo: Moderna, 1996.

MINOIS, G. História do riso e do escárnio. Editora da UNESP, 2003.

OLIVEIRA, M. L. S. Charge: imagem e palavra numa leitura burlesca do mundo. In: AZEREDO, J. C. Letras e comunicação: uma parceria para o ensino de língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, 2001.

POSSENTI, S. Os humores da língua. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

ROMUALDO, E. C. Charge jornalística: intertextualidade e polifonia: um estudo de charges da Folha de São Paulo. Maringá: Eduem, 2000.

SILVA, Carla L. M. O trabalho com charges em sala de aula. Pelotas-RS: UFRS, 2004.

SOUZA, Maria Irene Pellegrino de Oliveira; MACHADO, Rosemeri Passos Baltazar. O verbal e não-verbal na produção dos efeitos de sentido no gênero charge. In: CRISTÓVÃO et. al.(Orgs). Gêneros textuais: teoria e prática II. Palmas e União da Vitória, PR: Kaygangue, 2005.

SOUZA-E-SILVA, M. C. Discursividade e espaço discursivo. In.: FIGARO, R. (org.) Comunicação e análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2012.

TEIXEIRA, L. G. S. Sentidos do humor, trapaças da razão: a charge. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Rodrigo Leite Silva



Centro Universitário UNIFAAT