A “banalidade do mal” e a educação enquanto promotora dos direitos humanos

Gabriela de Lima Barbosa, Gilvan Elias Pereira

Resumo


A incapacidade de o sujeito analisar criticamente as consequências de suas ações enquanto as realiza por meio da obediência plena e acrítica a um código de ética pré-estabelecido socialmente é uma das características daquilo que Hannah Arendt chamou, no início da década de 1960, de “banalidade do mal”. Entende-se, neste trabalho, que este fenômeno de “naturalização do mal” se faz presente, atualmente, sempre que diversos interesses e ações se sobrepõem aos valores humanos estabelecidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) de modo a propiciar situações diversas de desrespeito à dignidade humana. Entende-se, ainda, que para que os direitos humanos sejam prioridade de uma nação, se faz necessário, dentre outras coisas, que a educação assuma uma perspectiva emancipadora do sujeito educativo. Diante do exposto, este artigo levanta o seguinte questionamento: em que medida a educação pode ser um meio para a emancipação do educando de modo a favorecer que o mesmo se torne sujeito conhecedor e reivindicador de seus direitos?  A partir de estudos bibliográficos conclui-se que à medida que o sujeito toma para si os direitos fundamentais da pessoa humana como princípios norteadores de suas ações, das mais corriqueiras às mais atípicas, grande parte das violações à dignidade do ser humano são atenuadas

Palavras-chave


Banalidade do mal. Conscientização. Educação em direitos humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINI, Nilo. Conscientização e Educação: ação e reflexão que transformam o mundo. Pro-posições. Itatiba, v. 29, n. 3, p. 187-206, set./dez. 2018.

Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v29n3/0103-7307-pp-29-3-0187.pdf Acesso em: 09 out. 2019.

AGUIAR, Odílio Alves. Violência e banalidade do mal. Revista Cult. [on-line], 2010. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/violencia-e-banalidade-do-mal/. Acesso em: 29 jul. 2019.

ALVES, José Lopes. O espaço das nações: panorama pós-segunda guerra mundial. Nação e defesa. [s.l]. p. 12-35, 1988.

ANDRADE, Marcelo. A banalidade do mal e as possibilidades da educação moral: contribuições arendtianas. Revista Brasileira de Educação. [on-line], v.15, n. 43, p. 109-125, jan./abr. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v15n43/a08v15n43.pdf. Acesso em: 07 maio. 2019.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. 14. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BENEVIDES, Maria Victoria. Educação em Direitos Humanos: de que se trata? In: PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA. [on-line], 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Etica/9_benevides.pdf. Acesso em: 25 maio. 2019.

BERLA, Gabriel Vieira. “O especialista”: Uma análise arendtiana do julgamento de Eichmann e de seu legado. Revista Liberdades. [on-line], n.4, maio/ago. 2010. Disponível em: http://www.revistaliberdades.org.br/site/outrasEdicoes/outrasEdicoesExibir.php?rcon_id=57. Acesso em: 25 maio. 2019.

BRASIL. Câmara dos deputados. Relatório final: comissão parlamentar de inquérito homicídios de jovens negros e pobres. Brasília, DF, 2015.

______. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília, DF, 2007.

______. Constituição (1988). Constituição da república federativa do Brasil de 1988. Brasília, Senado, 1988.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em: 23 maio. 2019.

______. Ministério da educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2017.

______. Ministério da educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília, DF,1997.

______. Ministério da saúde. Caderno temático: direitos humanos. Brasília, DF, 2015.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A banalidade do mal. [on-line] 2013. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/Articles/2013/61.A-Banalidade-do-Mal.pdf Acesso em 07 ago. 2019.

BRYM, Robert J. et al. Sociologia: sua bússola para um novo mundo. São Paulo: Cengage Learning, 2015.

CARVALHO, Xénia de. Da banalidade do mal: Hannah Arendt e o julgamento de Eichmann em Jerusalém. In: SEMANÁRIO DOMINGO (MAPUTO), SECÇÃO CULTURA, LIVROS E LEITURAS. [on-line], 2012. Disponível em: http://professor.pucgoias.edu.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/17973/material/Da%20banalidade%20do%20mal.pdf Acesso em: 20 maio. 2019.

DUDH. Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948.

ESTEVES, Pamela Suelli da Motta. Bullying: (não) reconhecimento da diferença e banalidade do mal. p. 77-111. Rio de Janeiro: Maxwell, 2015.

FINKELSTEIN, Norman Gary. A indústria do holocausto: reflexões sobre a exploração do sofrimento dos judeus. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

FRIGERI, Renata Aparecida. O espetáculo televisionado: o julgamento de Adolf Eichmann em Jerusalém. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM COMUNICAÇÃO E IMAGEM – ENCOI. Londrina, 2014. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/encoi/anais/TRABALHOS/GT1/O%20ESPETACULO%20TELEVISIONADO%20O%20JULGAMENTO.pdf. Acesso em: 14 maio. 2019.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2019.

KONRAD, Letícia Regina. Eichmann em Jerusalém e a banalidade do mal: percepções necessárias para a urgência de uma educação em direitos humanos. Caderno pedagógico. Lajeado, v.11, n.2, p.50-72, 2014. Disponível em: http://www.univates.br/revistas/index.php/cadped/article/view/909/898. Acesso em: 09 mar. 2019.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2017.

MASSARO, Ana Carolina Pedrosa. A irreflexão e a banalidade do mal, do pensamento de Hannah Arendt, refletidos no exercício do poder judicante. Revista da Faculdade de Direito da UFG. [on-line]. v.38, n.1, p. 207-222, jan./jun., 2014. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revfd/article/view/34625. Acesso em: 03 jun. 2019.

NUNES, Antonio Ozório. Como restaurar a paz nas escolas: um guia para educadores. São Paulo: Contexto, 2011.

NUNES, Maria do Rosário. Maria do Rosário: A atualidade da banalidade do mal. [on-line], 2015. Disponível em: https://pt.org.br/maria-do-rosario-a-atualidade-da-banalidade-do-mal/. Acesso em: 31 jul. 2019.

PINI, Francisca Rodrigues de Oliveira; ADRIANO, Ana Lívia. Fundamentos da educação em direitos humanos. In: PINI, Francisca Rodrigues de Oliveira; MORAES, Célio Vanderlei (orgs). Educação, Participação Política e Direitos Humanos. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2011, p.15-29.

PIZZANI, Luciana; SILVA, Rosemary Cristina da; BELLO, Suzelei Faria; HAYASHI, Maria Cristina Piumbato Innocentini. A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v.10, n.1, p.53-66, jul./dez. 2012.

REGERT, Vera Silveira. Releitura da história do holocausto por meio da escritura autobiográfica das vítimas. Fênix - Revista de História e Estudos Culturais. [on-line], v. 6, n.3, p.1-16, jul./ago./set. 2009. Disponível em: http://www.revistafenix.pro.br/PDF20/ARTIGO_13_Vera_Silveira_Regert_FENIX_JUL_AGO_SET_2009.pdf. Acesso em: 15 maio. 2019.

SCHRAM, Sandra Cristina; CARVALHO, Marco Antonio Batista. O pensar educação em Paulo Freire: para uma pedagogia de mudanças. [on-line]. s/d.

SIQUEIRA, José Eduardo de. Irreflexão e a banalidade do mal no pensamento de Hannah Arendt. Revista Bioethikos. [on-line], v.5, p. 392-400. 2011. Disponível em: http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/89/A5.pdf. Acesso em: 02 jun. 2019.

TREVIZAN, Ana Flávia; AMARAL, Sérgio Tibiriçá. O tribunal de Nuremberg e polêmica das sanções adotadas. s/d.

XARÃO, José Francisco Lopes. Banalização da “Banalidade do mal” de Hannah Arendt. Pensando – Revista de Filosofia. [on-line], v. 8, n.15, 2017. Disponível em: https://revistas.ufpi.br/index.php/pensando/article/view/4548/3725 Acesso em: 09 ago. 2019.

ZLUHAN, Mara Regina. RAITZ, Tânia Regina. A educação em direitos humanos para amenizar os conflitos no cotidiano das escolas. Revista brasileira de estudos pedagógicos. Brasília, v.95, n. 239, p. 31-54, jan./abr. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbeped/v95n239/a03v95n239.pdf Acesso em: 20 ago, 2019.




DOI: https://doi.org/10.17648/1678-0795.momentum-v1n17-248

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Gabriela de Lima Barbosa, Gilvan Elias Pereira



Centro Universitário UNIFAAT