Epifania: a lucidez perversa de Clarice Lispector

Cláudia Borragini Abuchaim, João Hilton Sayeg de Siqueira

Resumo


Este artigo tem por tema um estudo da concessão de epifania à personagem feminina, Ana, do conto Amor, pela autora Clarice Lispector. Por meio de uma análise interpretativista, pretende-se verificar o intuito perverso da epifania, como fator presente na produção literária de Lispector que permite às suas personagens a lucidez de sua situação por meio de reflexões conscientizadoras. Para a realização desse propósito, constituem a base analítica os estudos de Vignoles (1991), Nunes (1995), Rosenbaum (1999), Sant’Anna e Colassanti (2013). Os autores afirmam que a epifania obedece a uma sequência sintagmática, que se assemelha à estrutura clássica das narrativas em início, clímax e desfecho. Manifesta-se em pré-clímax, clímax e pós-clímax, que corresponde também a uma progressão da própria epifania: pré-epifania, epifania e pós-epifania. A epifania, nesse processo, funciona como um castigo perverso pela lucidez que é proporcionada.


Palavras-chave


Clarice Lispector. Epifania. Lucidez. Perversidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo/Simone de Beauvoir. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

CIXOUS, Hélène. La risa de la medusa. Ensayos sobre la escritura. Barcelona: Madrid/San Juan, Anthropos/ Dirección General de la Mujer/ Universidad de Puerto Rico, 1995.

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

GOTLIB, Nádia Battella. Clarice: Uma vida que se conta. 6 ed. rev. e aum. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

LISPECTOR, Clarice. Todos os contos/Clarice Lispector. Organização de Benjamin Moser. Rio de Janeiro: Rocco, 2016.

MOISÉS, Massaud. História da Literatura Brasileira: Modernismo. São Paulo: Cultrix, 1989.

NUNES, Benedito. Leitura de Clarice Lispector. São Paulo, Quiron, 1995.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Flores da escrivaninha. São Paulo, Companhia das Letras, 1990.

PINSKY, Carla Bassanezi. A era dos modelos rígidos. In: PINSKY, Carla B.; PEDRO, Joana M. (org.). Nova História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 469 – 512.

RAGO, Margareth. Do Cabaré ao Lar: a utopia da cidade disciplinar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

______. Ser mulher no século XXI ou carta de alforria. In: VENTURI, G; RECAMÁN, M; OLIVEIRA, S. (orgs.). A mulher brasileira nos espaços públicos e privados. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2004.

ROSENBAUM, Yudith. Metamorfoses do mal. Uma leitura de Clarice Lispector. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp, 1999.

SANT’ANNA, Affonso Romano de; COLASSANTI, Marina. Com Clarice. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

SARTRE, Jean Paul. A náusea. Trad. de Rita Braga. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

SEIXAS, Cid. Os riscos da cabra cega? Recortes de crítica ligeira. Feira de Santana: UEFS Editora, 2003.

VIGNOLES, Patrick. A Perversidade: ensaio e textos. Tradução: Nícia Adan Bonatti. Campinas, SP: Papirus, 1991.




DOI: https://doi.org/10.17648/1678-0795.momentum-v1n17-247

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cláudia Borragini Abuchaim, João Hilton Sayeg de Siqueira



Centro Universitário UNIFAAT